Arquivo do mês: outubro 2012

Foto: Reprodução da myspace do artista

Por João Paulo Cabral

Alex Sousa e a Caixa se apresentaram em várias edições do Finca, sob vários nomes. Em 2007 o grupo foi premiado com o terceiro lugar, concorrendo com outras 37 bandas. Alex Souza se formou em artes cênicas, CA que costumava representar, e é músico profissional. Tem dois CDs gravados em carreira solo e trabalha também em outros projetos, como o Caraivana.

Quantas vezes você participou do Finca?

Participei de 4 ou 5 edições nos 6 anos que fiquei na UnB . É sempre uma alegria tocar em festival de música, encontrar outros músicos, ver estilos diferentes e trabalho autoral sendo valorizado. Sempre vi o Festival como uma possibilidade de encontro entre artistas

Participar do Finca te deu visibilidade?

Deu muita visibilidade dentro da universidade, mas na minha época não deu muita visibilidade para além da universidade não.

O que fizeram com o prêmio?

Não lembro, na minha época ninguém participava do Finca por conta da grana, sempre foi pouca. É bom que atualmente o Finca possa premiar artistas com uma quantia considerável, prestigia ainda mais o trabalho deles.

Como é voltar a participar do Festival ao lado de colegas?

Legal, voltar a tocar com amigos da minha época, ele todos com trabalhos profissionais desenvolvidos. Ellen Oléria é muito minha amiga, ela era do mesmo curso que eu. Assim como o pessoal do Ha-Ono-Beko, também são conhecidos. Isso é uma iniciativa maravilhosa, UnB ta de parabéns. Sobretudo por convidar ex-alunos para tocar. Tocar na UnB é um clima muito bom, voltar a ter contato com essa energia pura, diferente de quando você está no mercado.

CONHEÇA MAIS O TRABALHO DO ARTISTA! http://www.myspace.com/alexsouzabrasil/

Anúncios
Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Foto: Reprodução da Internet

Por João Paulo Cabral

A banda Turrón Presidencial participou do Finca duas vezes. Em 2007 e em 2009, quando concorreu com outras 24 bandas e foi campeã representando o CA de Letras. Na ocasião, a banda não contava com baixista ou baterista. Mesmo assim, Antônio de Luna e Marcos Rangel não se intimidaram com o desfalque e resolveram competir com as demais bandas de formação tradicional. Ao final do Festival a surpresa: a música Azul Baião tocada pela dupla de violonistas era eleita a melhor pelo juri oficial. Antônio de Luna, guitarrista, vocalista e violonista da banda, relembra como aconteceu a situação e aborda o cenário musical brasiliense atual.

Qual a memória vocês tem da vitória no Finca 2009?

Foi muito bacana, uma coisa inesperada. Estávamos competindo com bandas com os mais variados formatos, contra todas as possibilidades que eles tinham e conseguimos. O baixista e o baterista haviam saído por questões pessoais, para não deixar a banda morrer, decidimos concorrer ao Finca.  Foi uma coisa bonita e inesperada. Na final no Anfiteatro 9, as pessoas começaram a aplaudir no meio da música, todos cantando o refrão. O Finca premia a música que for melhor no momento, e nesse caso a gente teve sorte.

A vitória representou muito para vocês?

Tínhamos certo ranço por não termos conseguido chegar em primeiro lugar em 2007. Depois que ganhamos em 2009, passamos a encarar como uma prova que tinha de ser vencida. Natural para um ciclo de evolução da banda. Foi uma prova que a banda deveria superar, de mostrar para nós mesmos que independente do número de pessoas na banda, poderemos superar as limitações com boa vontade e boas músicas.

O que aconteceu depois do Finca?

Gravamos nosso primeiro EP, tocamos fora de Brasília, no Móveis Convida, Rola Pedra, 51º Aniversário de Brasília. Apareceram oportunidades.

Isso deu mais visibilidade à banda?

A visibilidade foi relativa. Existe certa cultura do público de chegar atrasado em shows, que procura chegar só pra ver os grandes nomes. Ta faltando curiosidade e valorização da cena local. Em Brasília há muita banda boa, o que ta faltando é o público acompanhar. Essa formula de associar grandes nomes com pequenos é uma forma de tornar a banda conhecida, mas se o público não assistir, dá no mesmo que não tocar.

Como é tocar ao lado de vencedores de outras edições do Festival?

É bacana tocar com outras bandas, é bacana ser lembrado, gostei da ideia, fica bonito no currículo.

CONHEÇA MAIS A BANDA! http://turronpresidencial.wordpress.com/

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Vaga-Lumes no Vazio da Noite de Vênus se apresenta durante a final da categoria Candanga de 2012. Foto: Débora Passos.

Por João Paulo Cabral

A banda Vaga-Lumes no Vazio da Noite de Vênus participou do Finca em 2011 pela primeira vez. Ela concorreu aos prêmios da categoriaCandanga representando o CA de Pedagogia, ao lado de outras 44 bandas, e garantiu o primeiro lugar. Classificados para a disputar a categoria Nacional, que estreava no mesmo ano, o grupo surpreendeu e foi premiada a melhor entre outras duas bandas. Este ano, o guitarrista da banda, Rayri de Carvalho, foi convidado para integrar o juri técnico da edição de 2012 e pode ter outra visão do Festival. Nesta entrevista, ele aborda o Festival das duas perspectivas que teve e faz comparações entre as duas edições que ele participou.

Como foi entrar de calouro em um festival e levar os dois maiores prêmios dele?

O Finca foi o primeiro Festival de expressão que a banda participou, a ansiedade é normal. Prevíamos que iamos conseguir alguma coisa, estavamos confiantes. Só não esperavamos ganhar as duas categoria. Acho que foi sorte mesmo. Mas não estávamos preocupados, tocar na UnB é muito bom. Ganhar a primeira categoria Nacional que foi organizada representou muito para nós, isso vai ficar marcado na história do Festiva, não há nada melhor.

Quais oportunidades apareceram depois que vocês passaram pelo Festival?

O Finca nos proporcionou uma grande visibilidade, depois dele tocamos na Unb pela Paz, o Rola Pedra, o happy hour de Boas Vindas…

O que vocês fizeram com o dinheiro dos prêmios?

Investimos na compra de equipamento e montamos um estudio na casa do baterista. investiu na compra de equipamneto e no estúdio.

Qual a comparação você faz entre os dois anos que participou?

Este ano o Finca estava muito bem organizado e mais disputado. O Festival ofereceu uma quantia expressiva para as premiações, o que acabou por atrair muitos artistas. Esse ano as bandas foram mais comptetentes, tinha mais músico de verdade. Acho que o Finca está atraindo mais músicos de peso, está perdendo o caráter amador e se tornando mais profissional. Um exemplo é o Diego Azevedo que concorreu este ano e está no the Voice Brasil. A edição deste ano foi a melhor

Como se sente tocando ao lado de outros vencedores na edição comemorativa de 50 anos da UnB?

Para a gente é bom de mais, tocar é sempre bom. Ainda mais com os músicos da cena de Brasília que estão ai a muito tempo. É um prazer ter nosso nome ligado a essas pessoas, não só como nome de vencedora, mas marcada na história do evento, de uma etapa especial.

CONHEÇA MAIS A BANDA! http://tnb.art.br/rede/vagalumesnovaziodanoitedevenus

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

FINCA de todos os tempos!!!!

 

Todos estão convidados para a próxima sexta-feira dia 26!!

Teremos atrações de peso, nessa programação cultural diversa e rica que preparamos para vocês!!!

Não percam!

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Finca de Todos os Tempos

Se Brasília é a capital do rock, sem nenhum exagero podemos citá-la como a capital da música. Isso porque reune em seu espaço a diversidade musical brasileira, bem como da música mundial, sendo consumida por sua população.

Em comemoração ao cinquentenário da Universidade de Brasília e em conformidade com a Semana de Extensão de 2012, a Diretoria de Esporte, Arte e Cultura, em parceria com o Decanato de Extensão, Instituto de Artes, Secretaria de Educação do Distrito Federal e Sectretaria de Cultura apresenta edição especial do Festival Universitário de Música Candanga da UnB, reunindo os vencedores de todas as suas catorze edições.

Com o objetivo de fazer uma mostra dos talentos musicais que já passaram pelos palcos universitários do FINCA e integrando a história da UnB, da música brasiliense e brasileira. Assim, o FINCA de Todos os Tempos vai mapear uma trajetória artistico-cultural produzida na UnB.

Quando: sexta-feira, 26 de outubro, a partir das 20h.

Onde: no Teatro de Arena da UnB, Campus Darcy Ribeiro.

Atrações Confirmadas:
Ellen Oléria
ETNO
Jenipapo
Rupestre
Vaga-Lumes no Vazio da Noite de Vênus
Bateria Insana
Cajamarca
Há-Ono-Beko
Turrón Presidencial
Alex Souza

DJs convidados:
Zvitinho
Unos Coletivo

Venham prestigiar a história do FINCA numa noite de muita música brasiliense! (:

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.